españolportuguesenglish

Este país, que conserva intatas as suas reservas naturais, é um segredo que vale a pena descobrir.

Na mesma latitude que a bacia do Mediterrâneo, oferece um fácil acesso aos grandes mercados importadores.

A história do olivar no Uruguai nasce com os emigrantes europeus que trouxeram oliveiras de suas regiões, os plantaram e os cuidaram ate aclimata-los a esta terra nova onde as diversas variedades europeias –Frantoio, Arbequina, Leccino, Manzanilla, Taggiasca, Pendolino e Moraiolo– crescem hoje como se fossem autóctones.

A estabilidade política-económica, uma excelente localização – fica na mesma latitude que a bacia do Mediterrâneo – acrescentado aos costos da terra e da produção relativamente baixos comparados com os valores internacionais, foram as bases da crescente importância que começou a ter o cultivo da oliveira a partir de 2003.

Hoje, com mais de 6.000 hectares plantadas e um mercado interno que não supera o milhã e meio de litros de azeite por ano, a plantação de oliveiras no Uruguai resulta uma aposta ultra prometedora para inversores com os olhos posto na exportação. Atualmente o Uruguai está posicionando-se muito bem ao nivel internacional aproveitando tambem seu fácil acesso aos grandes mercados importadores como o Brasil, os Estados Unidos e o Canadá.

A água é um fator chave no desenvolvimento da planta e o Uruguai, com uma média de 1.200 milímetros anuais triplica a disponibilidade de água da maior parte da bacia mediterrânea que apenas recebe uns 400 milímetros por ano.

A estreita relação que existe entre a olivocultura e o conceito da naturaleza em estado puro potencia, sem dúvidas, as qualidades deste país fértil e tranqüilo que soube preservar as suas reservas naturais virando um segredo que vale a pena descobrir. São poucos os que conhecem as suas grandes vantagens, comparando-o sobretudo com seus vizinhos de produções aparentemente mais importantes. Pode ser, e efetivamente acontece, que o avantagem em quantidade, mas as terras e o clima uruguaios oferecem condições únicas para produzir azeites de oliva de alta qualidade segundo as caraterísticas analíticas e organolépticas.

PARÂMETROS EDAFICOS DO SOLO URUGUAIO

O pH do solo uruguaio é ligeramente ácido de 5,5 até 6,5 e tem uma textura franco arenosa.

A profundidade ótima é de 1,20m com presença de contato lítico no inferior a 50 cm. É muito comúm no Uruguai a presença de um Bt ou B textural, que é um horizonte argiloso* de acumulação de uma napa freática impermeável. Para que as plantações de oliveiras sejam viáveis é práticamente obrigatório o subsolado a fim de romper a referida napa e possibilitar a drenagem em profundidade da água sobrante.

A drenagem natural está sempre relacionada com a estrutura natural do solo, segundo o tipo e porcentagem de arcillas seu arranjo no solo. A presença de inclinação tolerável é de 5-8%, no caso de niveis maiores é necessário surcar a tierra cortando a inclinação para diminuir a erosão.

Quanto à fertilidade natural, requer-se a presença de um horizonte A, com os niveis de nutrientes necessários para o Olivo, que embora nao seja muito exigente, requer um rango ótimo de nutrientes, sobretudo no período produtivo.

Chama-se horizonte um nivel no perfil edáfico, mais ou menos paralelo à superfície, com umas caraterísticas edáficas (propriedades físicas, químicas e de composição), que o fazem diferente dos niveis adjacentes.

O horizonte A é onde ficam os elementos orgánicos, finos ou grossos, e solúveis, que têm que ser lixiviados (processo de arrastre de coloides desde os horizontes superiores do solo até os inferiores).